Clientes denunciam restaurante após diagnóstico de toxoplasmose

9 Vistos
Restaurante, localizado na zona oeste da capital, afirmou que mantém higiene
Restaurante, localizado na zona oeste da capital, afirmou que mantém higiene
Reprodução Record TV

Clientes de um bar em Pinheiros, zona oeste de São Paulo, denunciaram o estabelecimento após serem diagnosticados com toxoplasmose, doença causada por um parasita que vem dos gatos. O problema é contraído com a ingestão de alimentos contaminados, consumo de leite não pasteurizado, transfusão sanguínea e pela transmissão mãe-filho — quando mulheres gravidas estão contaminadas e não fazem o tratamento.

De acordo com a Record TV, em um site de reclamações online, um usuário anônimo informou, no dia 3 de abril, que foi com os colegas almoçar no estabelecimento e, após esse dia, todos começaram a apresentar os sintomas da doença. “Quatro pessoas que comeram o mesmo prato ficaram com febre, dores no corpo, entre outros sintomas”, diz a postagem.

Na mesma página, outros clientes afirmaram que estiveram no restaurante na mesma época e que também contraíram a doença.

Cerca de um mês depois, no dia 7 de maio, a empresa respondeu a mensagem informando que o restaurante está dentro das normas de higiene e que não há risco de toxoplasmose contraída por alimentos e bebidas ingeridas no local. “Desde o início de suas atividades, [o restaurante] mantém rígido controle dos processos e procedimentos envolvendo a manipulação e a elaboração de alimentos e bebidas servidos a seus clientes”, afirma a publicação.

Segundo a Prefeitura de São Paulo, desde março deste ano, a toxoplasmose passou a ter notificação obrigatória pelos serviços de saúde e vigilância. Uma avaliação preliminar identificou três surtos de toxoplasmose, de provável transmissão por alimentos, que contaminou cerca de 45 pessoas.

A coordenadoria de vigilância em saúde informou que uma equipe técnica fez vistorias no estabelecimento no dia 18 de abril. Após receber novas denúncias, o local passou por outra inspeção sanitária no dia 7 de maio. O órgão disse que amostras de alimentos e água do local foram coletados e encaminhados para a análise. Os resultados ainda não estão disponíveis.

Outro lado

Em nota, publicada nas redes sociais, o restaurante disse que, segundo o laudo da Vigilância Sanitária, o local apresenta condições satisfatórias de higiene e conservação de instalações e que não foi constatado prática de risco para a transmissão da doença.

O comunicado informou ainda que até o momento nenhum médico ou oftalmologista entrou em contato com o estabelecimento e que rastrear a origem exata da contaminação é uma tarefa complexa.