Diretora de presídio onde Jeffrey Epstein morreu é afastada

Epstein foi encontrado morto em cela de prisão federal em Nova York
Epstein foi encontrado morto em cela de prisão federal em Nova York
Montagem R7 / Fotos: EFE

A diretora da prisão federal de Nova York, onde o milionário Jeffrey Epstein foi encontrado morto há três dias, Shirley Skipper-Scott, foi afastada do cargo nesta terça-feira (13), segundo informações do Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Em comunicado, a porta-voz do Departamento de Justiça Kerry Kupec informou que o procurador-geral, William Barr, ordenou a mudança temporária de Skipper-Scott para a seção da região nordeste do Escritório de Prisões.

VEJA TAMBÉM: Palácio de Buckingham nega acusações ao príncipe Andrew

Além disso, foram colocados em “baixa administrativa” outros dois empregados do Centro Correcional Metropolitano (MCC), como se chama a prisão onde Epstein estava recluso após ter sido acusado de tráfico sexual de menores.

“Estamos à espera do resultado das investigações do FBI e do OIG (Escritório do Inspetor Geral) sobre aparente o suicídio de Jeffrey Epstein, ex-presidiário do MCC”, diz a nota do Departamento de Justiça.

Irregularidades estão sendo investigadas

Ainda segundo as autoridades, Skipper-Scott será substituída provisoriamente por James Petrucci, até agora diretor da Instituição Correcional Federal de Otisville, em Nova York.

Os guardas da segurança do MCC estavam fazendo a ronda matutina do último sábado quando encontraram Epstein, de 66 anos, enforcado na sua cela por volta das 6h30 (local, 8h30 de Brasília), segundo o Departamento de Prisões.

“Agora soubemos de irregularidades sérias nesta instalação que são profundamente preocupantes e pedimos uma investigação completa”, destacou Barr em um evento da polícia local de Nova Orleans. O procurador-geral prometeu que as autoridades chegarão ao fundo do que ocorreu e haverá prestação de contas.

Epstein teria pedido para sair de programa pra suicidas

De acordo com a imprensa local, que cita fontes ligadas ao caso, os advogados de Epstein pediram às autoridades no fim do mês passado que o seu cliente fosse retirado do programa para a prevenção do suicídio. A solicitação foi feita após reuniões de até 12 horas diárias com o acusado, depois de uma suposta tentativa em 23 de julho.

A morte do magnata, ocorrida repentinamente e em circunstâncias estranhas, fez com que circulem várias teorias conspiratórias devido aos personagens com os quais o milionário se relacionava, como o ex-presidente Bill Clinton e o atual, Donald Trump.