Manifestação acontece em momento de agitação crescente na Europa, onde os governos estão cada vez mais visando os não vacinados.

Bloomberg — Milhares de manifestantes se reuniram em Viena, capital da Áustria, neste sábado (20) depois que o governo austríaco anunciou um mandato de vacina e um lockdown nacional para conter casos recordes de coronavírus.

A manifestação ocorreu em um momento de agitação crescente na Europa, onde os governos estão cada vez mais visando os não vacinados.

Os manifestantes, em sua maioria desmascarados, gritaram, cantaram e agitaram bandeiras e cartazes feitos em casa pela capital do país. O Partido da Liberdade, de extrema direita, que se opõe às diretivas de vacinas, liderou a ação para protestar contra as medidas.

A manifestação segue uma em Rotterdam, na Holanda, na sexta-feira, que se tornou violenta, com vários feridos e canhões de água voltados contra os manifestantes.

Os governos europeus estão desesperados para acabar com a pandemia depois de mais de 18 meses. Uma quarta onda de infecções atingiu níveis recordes em vários países, colocando os sistemas de saúde novamente sob pressão e ameaçando a recuperação econômica.

Em sua tentativa de deixar a Covid para trás, governos, incluindo os da Alemanha, República Tcheca e Grécia, bem como da Áustria e da Holanda, estão cada vez mais focados nos não vacinados. O esforço colidiu com uma minoria que se opõe às diretrizes de saúde.

O quarto lockdown nacional da Áustria devido à pandemia começa na segunda-feira. As pessoas só poderão sair de casa por motivos essenciais, como fazer compras e praticar exercícios.

A quarteirões da demonstração de sábado e em outros lugares da cidade, outros vienenses aproveitaram um dia ameno e ensolarado para visitar cafés, butiques e mercados de Natal que em breve serão forçados a fechar por até três semanas.

Em Rotterdam, na sexta-feira, os manifestantes denunciaram um plano do governo holandês de excluir os testes negativos do passe nacional de saúde, o que cortaria os não vacinados de muitas atividades. A polícia disparou tiros de advertência e dispersou a multidão com um canhão d’água. Pelo menos sete feridos foram relatados.

O estado da Saxônia, no leste da Alemanha, um dos mais afetados do país pela atual onda de infecções, anunciou restrições à vida pública na noite de sexta-feira. As feiras de Natal foram canceladas e as pessoas que não foram vacinadas enfrentam um toque de recolher nas áreas de conflito. A Baviera também estabeleceu uma mistura de lockdowns e toques de recolher.

Os casos diários de Covid-19 na Áustria subiram este mês e as mortes, embora não tenham aumentado tanto, são as mais altas desde o inverno passado. Os estados de Salzburg e Ober têm atualmente a maior incidência de Covid em 7 dias na Europa, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

Queda na vacinação

Cerca de 68% dos alemães e 65% dos austríacos foram totalmente inoculados contra a Covid-19, abaixo dos níveis que se acredita criarem “imunidade coletiva” contra o vírus. Eles ficam atrás de vizinhos como França e Itália, mas os níveis de vacinação na Europa Oriental são ainda muito mais baixos – de 59% na República Tcheca a 24% na Bulgária.

Hospitais e unidades de terapia intensiva em grande parte da Europa estão ficando lotados, em grande parte com os não vacinados.

Quase nove em cada 10 pacientes nas UTIs da Grécia não foram vacinados, disse o primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis em um discurso transmitido pela televisão nacional. É um padrão que se repetiu nos últimos meses, da Itália aos EUA e à Austrália.

–Com a colaboração de Boris Groendahl e Ian Fisher

Fonte: Bloomberg Línea