• 21 de outubro de 2021 2:42 am

Flanco norte do vulcão Cumbre Vieja desmorona; terremoto de 4,5 º C graus é sentido em La Palma

A intensa atividade eruptiva destaca outra parte da estrutura do edifício vulcânico

O flanco norte do vulcão ‘Cumbre Vieja’, na ilha de La Palma, sofreu um novo colapso na tarde deste sábado, conforme relatado pelo Instituto Vulcanológico das Ilhas Canárias (Involcan).

Já ontem à noite a face norte do cone registrou um colapso parcial, fato esperado neste tipo de vulcões, que significou a emissão de escoamento em várias direções.

Durante o dia deste sábado, a lavagem que fica mais a noroeste e que segue em direção à rua Paraíso em El Paso perdeu força durante a manhã, então não é uma preocupação, embora ainda esteja sendo monitorada o tempo todo.

Além disso, há uma segunda lavagem imediatamente ao sul desta que também perdeu intensidade e uma terceira que está aderindo à lavagem principal e que é a que mais preocupa porque há um buraco e a lava vai demorar entre 24 e 36 horas para preenchê-lo.

Por fim, o ‘dedo’ da lavagem sul não atingiu o mar e está parado, mas está crescendo em espessura, o que significa que está carregando massa e a qualquer momento levará a inércia possível devido ao peso e à vontade avançar em direção ao mar.

La Palma registra um terremoto de magnitude 4,1 na madrugada deste sábado

O Instituto Geográfico Nacional (IGN) localizou uma quarentena de terremotos na ilha de La Palma durante a noite de sexta a sábado, entre 23h36 e 06h49, sendo o mais proeminente um no início da manhã no sudoeste da Villa de Mazo de magnitude 4.1. A boa notícia é que ocorreu a uma profundidade de 39 quilômetros. Neste sentido, o director do Plano de Emergência Vulcânica das Canárias (Pevolca), Miguel Ángel Morcuende, já assegurou em conferência de imprensa esta sexta-feira que “não existe actividade de superfície noutros ambientes que não os do próprio cone”, pelo que a probabilidade que outro centro emissor aparecerá fora da vizinhança do cone “é extremamente baixo, senão zero.”

O enxame sísmico continua ativo no sul da ilha, nos municípios de Mazo e Fuencaliente, e profundidades médias que variam aproximadamente entre 11 e 15 quilômetros, embora alguns também tenham sido registrados em mais de 30 quilômetros.

Por sua vez, a intensidade média dos terremotos é inferior a 3. Porém, sem contar os 4,1, esta noite houve movimentos de 3,3 em Fuencaliente, às 06:23 e a uma profundidade de 11 quilômetros; e 3,4 em Mazo, em 06,07 e 35 quilômetros.

No entanto, a sismicidade continua localizada, como nos últimos dias, em grande profundidade e nenhuma deformidade do terreno foi registrada fora da área do vulcão.

Quanto à erupção, ela continua a manter o mesmo comportamento dos dias anteriores com uma explosividade vulcânica que continua no nível 2 em uma escala com no máximo 8.

Da mesma forma, a emissão de lava está concentrada nos centros da cratera principal e não se espera que outro centro de emissão se abra fora desta área.

Deixe uma resposta