Sequestrador de Olivetto cumprirá 2 penas de 15 anos de prisão no Chile

Maurício Norambuena foi extraditado em agosto
Maurício Norambuena foi extraditado em agosto

Robson Fernandjes/Estadão Conteúdo – 04/02/2002

A Justiça do Chile decidiu nesta segunda-feira que o ex-guerrilheiro chileno Mauricio Hernández Norambuena, extraditado pelo Brasil no último dia 20 de agosto, cumprirá duas penas de 15 anos de prisão no país pelo assassinato de um senador e pelo sequestro do publicitário brasileiro Washington Olivetto em 2001.

A pena cumpre o acordo firmado por Chile e Brasil para a extradição de Norambuena. O pacto assinado pelos dois países estabelecia que ele cumpriria uma pena máxima de 30 anos, apesar de o ex-guerrilheiro já ter sido condenado pela Justiça chinela a duas penas de prisão perpétua, algo proibido pela Constituição brasileira.

O juiz Mario Carroza recusou o pedido da defesa para reduzir da pena os 16 anos em que Norambuena ficou preso no Brasil enquanto sua extradição era julgada. Os três anos que o ex-guerrilheiro passou detido no Brasil entre 1993 e 1996, antes de fugir da cadeia, no entanto, foram levados em consideração pelo magistrado.

Leia também: Sequestrador de Olivetto vai ao STF contra extradição para o Chile

Norambuena tinha sido condenado no Chile pelos assassinatos do senador Jaime Guzmán, do partido ultraconservador União Democrata Independente (UDI) e ideólogo da ditadura de Augusto Pinochet, que governou o país entre 1973 e 1990, e do empresário Cristian Edwards, filho do proprietário do jornal “El Mercurio”, Agustín Edwards.

Em 1996, quando cumpria pena pelos dois crimes, o ex-dirigente da Frente Patriótica Manuel Rodríguez (FPMR), organização que combateu a ditadura Pinochet, fugiu de helicóptero da Prisão de Alta Segurança de Santiago.

Depois da fuga, Norambuena passou por Cuba. Em 2002, ele foi preso e condenado a 30 anos de prisão no Brasil por participar do sequestro do publicitário Washington Olivetto.