• 14 de junho de 2021 10:08 pm

Ex-presidente Temer avalia risco de golpe de Bolsonaro em eventual derrota em 2022

ByClayton Lima

jun 5, 2021

Temer defende que o caminho é prestigiar os militares da ativa e da reserva que resistem às tentativas de intervenção de Bolsonaro nas Forças, como o general da reserva e ex-secretário do Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz

Ex-presidente Michel Temer (MDB) (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

O ex-presidente Michel Temer (MDB) avalia que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pode tentar um golpe em uma eventual derrota nas eleições de 2022. Na visão do emedebista, seria uma reação parecida com a do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que ao ser derrotado por Joe Biden incitou uma invasão ao Congresso americano, em 6 de janeiro. A informação é da coluna de Kennedy Alencar, no portal UOL.

Temer acredita que o caminho é prestigiar os militares da ativa e da reserva que resistem às tentativas de intervenção do atual presidente nas Forças, como o general da reserva e ex-secretário do Governo Bolsonaro, Carlos Alberto dos Santos Cruz. Em consonância, os ex-presidentes Lula (PT) e FHC (PSDB) defendem que seus partidos fortaleçam os laços com militares legalistas e ex-bolsonaristas arrependidos.

Temer acredita que a maioria dos militares da ativa não compactuariam com um golpe, caso Bolsonaro fizesse essa investida, mas pondera que é preciso estar vigilante. “Em resumo, os três ex-presidentes consideram que é melhor não esticar a corda, que seria tudo o que Bolsonaro desejaria para tentar quebrar o período democrático que o Brasil vive desde 1985, quando acabou a ditadura militar de 1964”, escreve o jornalista.

A resistência se volta para o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, que chegou a repudiar publicamente a decisão do Exército de não punir o general da ativa Eduardo Pazuello pela participação em um ato político pró-Bolsonaro: “vergonha”, escreveu em seu perfil no Twitter.

O colunista comenta ainda que a não punição de Pazuello parece atender a uma vontade do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que demonstra poder sobre as decisões do Exército. No entanto, a omissão do Alto Escalão, sob o comando do general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, desagradou a Marinha e a Aeronáutica, além de setores do próprio Exército.

Fonte: O Povo Online

 

Deixe uma resposta