• 3 de agosto de 2021 4:44 pm

Manifestantes fecham Avenida Paulista em novo ato contra o governo Bolsonaro

Grupo interditou via por volta das 15h30 em frente ao Masp. Este é o terceiro ato nacional contra o governo e foi antecipado após denúncias de corrupção e propina na compra de vacinas durante a gestão federal.

Novo protesto contra o presidente Bolsonaro fechou a Avenida Paulista na tarde deste sábado (3) — Foto: Rodrigo Rodrigues/G1

Manifestantes realizam neste sábado (3) um novo protesto contra o governo Jair Bolsonaro (sem partido) na Avenida Paulista, região central da cidade de São Paulo.

Este ato nacional havia sido convocado para o dia 23 de julho, mas o desgaste do presidente, provocado por denúncias de corrupção e propina na compra de vacinas durante a gestão dele antecipou a mobilização. Os outros dois atos aconteceram nos dias 29 de maio e 19 de junho.

Na capital paulista, a concentração começou por volta das 15 horas deste sábado, no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp). Meia hora depois já ocupava da Rua Augusta até a Alameda Campinas. Às 16h30 o bloqueio começava na Avenida Dr Arnaldo (túnel).

A reportagem identificou que os manifestantes se aglomeraram, mas ao menos usavam máscaras contra o coronavírus.

A SPTrans informou que 20 linhas tiveram seus itinerários alterados por conta de manifestação às15 horas, como aquelas que atendem o Pirituba, a Vila Mariana, a Brasilândia, o Centro da capital, o Sacomã, a Vila Romana, o Ipiranga, Perdizes, o Aeroporto de Congonhas, Santo Amaro, Grajaú, Campo Limpo, Parque Continental e Barra Funda.

Manifestante mostra cartaz com indignação sobre suspeita de corrupção na compra de vacinas durante a pandemia do coronavírus em ato neste sábado (3), na Avenida Paulista — Foto: Rodrigo Rodrigues/G1

Os organizadores informaram que uma passeata está prevista com destino à Praça Roosevelt, descendo a Rua da Consolação.

A Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo(SSP-SP) montou um esquema especial para garantir a segurança na manifestação, como reforço de 600 policiais no patrulhamento já presente na região da Avenida Paulista, mais 80 viaturas e cinco drones.

Além de pedir o impeachment do presidente, os manifestantes reivindicaram mais vacinas e auxílio emergencial, relembraram as mais de 500 mil vítimas da Covid-19 no país, a suspeita de envolvimento do ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na exportação ilegal de madeira, e se posicionaram contra o voto impresso, defendido por Bolsonaro.

Eles levaram cartazes com dizeres como “Não era negacionismo, era corrupção #ForaBolsonaro”, “500 mil mortos, sem vacinas, corrupção, fome, desemprego” e “Amazônia em pé, abaixo Bolsonaro”.

Protesto na Avenida Paulista tem faixas com recados ao presidente Jair Bolsonaro — Foto: Rodrigo Rodrigues/G1
Manifestantes seguram cartazes contra o voto impresso, defendido por Bolsonaro, e contra a atuação do Congresso Nacional em relação às suspeitas sobre o governo federal — Foto: Rodrigo Rodrigues/G1

Bolsonaro, o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP), o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) e o presidente do Congresso, Arthur Lira (PP), foram representados por bonecos de papelão, caracterizados como presidiários.

Os manifestantes também estenderam grandes faixas com as cores vermelha e também verde e amarelo, sendo uma de 10m x 2m com os dizeres “Fora Bolsonaro, essa bandeira é nossa”, e carros de som se posicionaram ao longo da Paulista, sendo o principal em frente ao Masp.

Manifestante em frente ao Masp carrega faixa com mensagem ao presidente Jair Bolsonaro — Foto: Rodrigo Rodrigues/G1
Manifestante levanta cartaz com os dizeres ‘Não era negacionismo, era corrupção #ForaBolsonaro’ em ato contra o governo federal na Avenida Paulista, neste sábado (3) — Foto: Rodrigo Rodrigues/G1

Um bloco feminista, organizado pelas covereadoras da Bancada Feminista do PSOL, mandato coletivo na Câmara Municipal, criticou ainda as “falas machistas e misóginas, e a condução desastrosa da pandemia fez com que aumentassem os índices de feminicídio, violência doméstica e desemprego entre mulheres”.

A “Campanha Fora Bolsonaro” é uma inciativa da Frente Povo Sem Medo, da Frente Brasil Popular, de todos os partidos de esquerda, das centrais sindicais, do movimento negro, de entidades de estudantes, movimentos sem-teto, ONGs e outros movimentos populares, todos eles signatários do ‘superpedido’ de impeachment.

Manifestantes fecham Avenida Paulista em novo ato contra o governo Bolsonaro — Foto: Rodrigo Rodrigues/G1

Na sexta-feira (2), o PSDB confirmou à reportagem que também fortaleceria a manifestação, com a presença de 2 mil filiados. No ato também compareceram representantes do PT, PDT, PcdoB, PSTU, PSOL e PCO.

Ato nacional

Os protestos contra o presidente Jair Bolsonaro e em defesa da vacinação contra Covid-19 ocorreram em todo o Brasil neste sábado. Foram registrados atos em 17 estados e em mais de 60 cidades.

Na Grande São Paulo, além da manifestação na Avenida Paulista, houve registro de ato em Carapicuíba e outro em Osasco.

No interior do estado, manifestantes realizaram protestos em São José dos Campos, na região do Vale do Paraíba, nas regiões de Sorocaba e Jundiaí, em São Carlos e Arar

No Masp, manifestantes levam faixa com protesto contra o número de mortes pela Covid-19 — Foto: Rodrigo Rodrigues/G1

aquara, em Araçatuba e em Jales, em Franca e Ribeirão Preto, em Campinas e em Piracicaba, em Bauru e no Alto Tietê.

Todas as manifestações foram pacíficas e a maior parte dos manifestantes usou máscara e manteve o distanciamento social devido à pandemia.

Manifestantes realizaram o terceiro ato contra o presidente Bolsonaro na Avenida Paulista neste sábado (3) — Foto: Rodrigo Rodrigues/G1

Fonte: G1

Deixe uma resposta