Museu Nacional do Rio de Janeiro dá mais um passo em sua reconstrução

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) anunciou neste sábado (20) que a elaboração do projeto de arquitetura e restauro do Museu Nacional do Rio de Janeiro ficará a cargo do consórcio H+F Arquitetos e Atelier de Arquitetura e Desenho Urbano, vencedor de licitação realizada pelo Projeto Museu Nacional Vive. O projeto engloba estudos arquitetônicos, de legislação, fluxos de circulação, sustentabilidade, acessibilidade, segurança e conforto ambiental para reconstrução do museu, atingido por incêndio de grandes proporções no dia 2 de setembro de 2018.

“Esse novo projeto arquitetônico atenderá aos mais rigorosos padrões internacionais de acessibilidade e segurança, o que tornará o Museu Nacional uma fonte renovada de cultura e história ainda mais integrada à comunidade. No momento em que o mundo atravessa uma das crises mais difíceis de sua história, a busca por soluções conjuntas e inovadoras é imperativa para termos, no menor prazo possível, o Museu Nacional aberto para o público”, disse, em nota, a diretora e representante da Unesco no Brasil, Marlova Jovchelovitch Noleto.

O edital contemplou ainda aspectos previstos no Programa de Revitalização do Museu, desenvolvido por servidores da instituição antes do incêndio.

“O projeto de arquitetura do seu interior encontra-se em formação, que será feito em conjunto com diversos parceiros, incluindo o Iphan, levando-se em conta o que queremos ser: um museu de História Natural e Antropologia inovador, sustentável e acessível que promova a valorização do patrimônio científico e cultural e que, pelo olhar da ciência, convide à reflexão sobre o mundo que nos cerca e, ao mesmo tempo, nos leve a sonhar. A escolha do consórcio para a realização do projeto de arquitetura é o primeiro passo decisivo nessa direção”, disse o diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner.

Segundo a reitora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Denise Pires de Carvalho, em 2021, está prevista a inauguração do campus de Pesquisa e Ensino do Museu Nacional e, em 2022, deve ser inaugurado o Bloco 1, com a celebração do bicentenário da Independência do Brasil.

“Nossa proposta busca o restauro não apenas do Paço de São Cristóvão, mas também do conjunto de espaços livres que o circundam, ampliando a integração do museu com a Quinta da Boa Vista e organizando um conjunto mais articulado e inclusivo”, informou o arquiteto Pablo Hereñú, do consórcio H+F Arquitetos e Atelier de Arquitetura e Desenho Urbano, que vai coordenar o desenvolvimento do projeto.

O investimento do Projeto Museu Nacional Vive nesta fase será de R$ 2.695.212,50. O prazo de execução das atividades contratadas é de 18 meses.

%d blogueiros gostam disto: