• 22 de junho de 2021 6:48 pm

Quando o silêncio estimula o ódio: YouTuber Felipe Neto luta contra a censura no Brasil

ByClayton Lima

jun 5, 2021

O presidente Jair Bolsonaro acredita que COVID é uma piada – mas o animador e YouTuber Felipe Neto não está rindo. Ele está desafiando o líder sul-americano online, resultando em muitos seguidores e inimigos.

Ele é universalmente reconhecido no Brasil por tingir o cabelo em cores neon, bem como por suas avaliações envolventes de videogames no YouTube. De horas de conteúdo relacionado ao Minecraft a vídeos sobre os animais mais fofos ou outros memes, Felipe Neto dificilmente está atrás de uma carreira no jornalismo ou radiodifusão. Mas o jovem de 33 anos é muito mais do que apenas outro vlogger ou um simples influenciador produzindo conteúdo:

“Quando você tem milhões de seguidores, tem o poder de revidar. Você tem o poder de mostrar a verdade. É isso que o governo mais teme. Eles vivem com mentiras – mentindo para o povo”, disse Neto à DW em entrevista exclusiva.

Com 17 milhões de assinantes de seu canal no YouTube só no Brasil e um seguimento mundial com mais de 41 milhões de pessoas, Neto certamente goza de grande popularidade não só entre os jogadores, mas também entre aqueles em seu país que – assim como ele – discordam do brasileiro As políticas populistas do presidente Jair Bolsanaro e sua resposta indiferente ao COVID.

Na verdade, ele está bastante entusiasmado em criticar Bolsanaro por sua forma de lidar com a crise da COVID. No final de maio de 2021, a pandemia havia ceifado mais de 454.000 vidas no Brasil – algo que Neto se referiu publicamente como um ato de “genocídio”.

Combater o ‘fascismo’ como um imperativo social

Por mais que saiba atrair fãs, Felipe Neto também atrai críticos que gostam de dirigir com frequência até sua porta, ameaçando machucá-lo ou até matá-lo. Seus críticos também vão além do online para tentar desacreditar ou silenciar Neto, acusando-o de pedofilia, entre outras coisas – principalmente por causa de seu apoio à comunidade LGBTQ +.

“Quando eles tentaram dizer às pessoas que eu era um pedófilo, que estava envolvido em comportamento criminoso, aproveitei a oportunidade para falar com meu público, olhar nos olhos deles e mostrar a verdade, e provar a verdade que eles podem convencer outras pessoas online ”, relembrou Neto sobre a experiência na época. A campanha contra ele envolveu até mesmo um vídeo falso no qual Neto dizia que consumia crianças “como doces”.

Apesar de ter sido provado ser um vídeo falso, a campanha de ódio contra Neto também custou a ele muitos seguidores, bem como acordos de patrocínio, destacando o quão delicado e tênue é o equilíbrio que os influenciadores devem realmente pisar.

Ainda assim, ele não se intimidou: “Quando enfrentamos o fascismo e os fascistas, todos os que decidem ficar em silêncio são cúmplices deste regime fascista”, disse ele a DW.

“É muito vergonhoso do meu ponto de vista que artistas e influenciadores estejam decidindo ficar em silêncio quando temos esse regime que está tomando conta do Brasil. … Eu mantenho minha opinião e acredito que você não pode ficar em silêncio quando está enfrentando alguém como Jair Bolsonaro. ”

Lei das consequências não intencionais

Um personagem divisionista no Brasil e mesmo além, o crescente ativismo de Neto na política nos últimos anos também se tornou uma questão de discurso jurídico. Ele até mesmo recebeu uma intimação ao tribunal por difamar o presidente Bolsonaro ao equiparar sua política COVID a genocídio no início deste ano.

O caso foi posteriormente julgado improcedente por um juiz pelo mero detalhe técnico de que havia sido movido pelo filho de Bolsonaro, Carlos – e não pelo promotor público, pelos militares responsáveis ​​ou pelo Ministério da Justiça.

Neto aceitou a decisão com folga, dedicando esta “vitória” a Carlos Bolsonaro num tweet, “como não teria sido possível sem ele”.

E então ele foi ainda mais longe: recusando-se a ser amordaçado e reagindo às muitas ameaças que ele e outros como ele têm enfrentado desde que Bolsonaro se tornou presidente em 2019, Neto lançou uma plataforma de assistência jurídica no início de maio de 2021 para combater quaisquer ataques sobre a liberdade de expressão neste país: Qualquer pessoa que tenha problemas jurídicos por criticar o presidente ou qualquer outra autoridade pública receberá apoio jurídico gratuito de sua iniciativa.

Em 24 horas do lançamento da campanha, Neto já havia recebido mais de 100 pedidos de ajuda.

Um rebelde com uma causa desafiadora

Com o tempo, porém, o estilo de Felipe Neto mudou. Ele está claramente ciente do impacto que vem com seu alcance. Sua voz se tornou mais fundamentada, seu estilo mais controlado e, embora ele ainda esteja no negócio de revisar jogos, seu cabelo não reflete mais todos os tons imagináveis ​​sob o arco-íris, mas é um preto sólido que complementa a compostura de seu olhar.

Talvez ele esteja até escondendo alguns fios de cabelo grisalhos que o ativismo dos últimos anos pode ter custado a ele.

Enquanto ainda contava algumas piadas e fazia comparações despreocupadas, Neto disse em um vídeo de julho de 2020 publicado pelo New York Times que “(quando) o palhaço precisa falar sério, você sabe que o circo provavelmente está pegando fogo”.

Com quase uma em cada sete mortes relacionadas ao COVID no mundo ocorrendo no Brasil, Neto está bem ciente do fato de que este incêndio pode exigir mais do que um canal no YouTube e seguidores no Twitter para ser extinto: “Quando um Youtuber goza de qualquer nível de influência sobre a política, você sabe que é um sinal do empobrecimento da cultura política do país ”, disse.

E assim ele continua a lutar por sua causa, online e offline. De acordo com uma pesquisa qualitativa do instituto de pesquisas brasileiro Quaest, o alcance de Neto na mídia digital é apenas inferior ao do presidente em meio à grande divisão no Brasil.

E olhando além de seu país, ele também é uma das 100 pessoas mais influentes de 2020, de acordo com a revista Time . O jornalista investigativo Glenn Greenwald disse que Neto estava em uma “trajetória incrível” recalibrando seu “enorme império” construído na “frivolidade de tarifa padrão do YouTube” para se tornar uma “voz anti-Bolsonaro líder”. Nesse mesmo ano, porém, Bolsonaro também recebeu o mesmo título pela  Time.

Grande poder e grande responsabilidade

Esse nível de influência também tem um custo pessoal: Neto teve que mandar sua mãe para o exterior para garantir que ela ficasse protegida de ataques e ameaças. E embora sinta que as leis existentes no Brasil pouco fazem para proteger pessoas como ele da censura, Neto não quer que o Congresso apresse quaisquer mudanças na legislação:

“As leis são muito antigas. Não foram criadas em um mundo digital. Então [os legisladores] não pensaram no que aconteceria quando tivéssemos a internet e todos pudessem enviar ameaças. Ao mesmo tempo eu não. Acho que a solução é apressar as coisas no congresso e apenas escrever o que for … para proteger as pessoas.

“Precisamos ter tempo para conversar com os especialistas. Precisamos ficar calmos. Quando apressamos as coisas, acabamos com leis ruins. Não acho, isso é solução para qualquer um”, disse Neto à DW.

Enquanto o Brasil parece decidido a quebrar o marco de ter mais de meio milhão de mortes de COVID no verão de 2021, Felipe Neto está ciente da responsabilidade crescente que possui – enquanto permanece decidido que o humor será sempre a pedra angular e a razão de ser etre de seu negócio:

“Eu levo minha responsabilidade muito a sério. Mas, ao mesmo tempo, sou um artista familiar. Eu faço piadas bobas, crio conteúdo bobas e não tenho vergonha disso. Especialmente quando estamos enfrentando tempos difíceis como agora. As pessoas precisam rir e se sentir boba por alguns momentos “, explicou Neto.

“Mas lembre-se também de que, se você for seguido por um milhão de pessoas, então um milhão de pessoas podem ficar mal informadas se você mentir ou disser algo apenas de cabeça, sem pesquisar.

“Essa é basicamente a responsabilidade que levo muito a sério.”

Em 15 de junho, Felipe Nero falará no DW Global Media Forum 2021.  Cadastre-se agora para obter seu passe digital gratuito  para participar da conferência e assistir ao painel de discussão “Inventário de mídia social: Conectando pessoas, dividindo sociedades?”

Fonte: Deutch Welle

 

Deixe uma resposta